Post Image

Arquétipos: Criando a Personalidade da Marca

Nossa personalidade, valores e crenças dizem muito sobre quem somos.

Assim como as pessoas, empresas também precisam ter uma personalidade bem estabelecida, pois geram uma maior empatia com seus clientes. 

Utilizando conceitos da psicologia desenvolvidos por Carl Jung, que identificou algumas personalidades chave, às quais chamamos de Arquétipos, podemos humanizar e ajustar o tom de voz da marca, gerando maior empatia e conexão com seus clientes.

O arquétipo escolhido molda como uma empresa se apresenta e será o responsável por construir uma conexão com sua audiência.

Por isso, escolher o arquétipo certo para cada marca é essencial para seu sucesso.

Sabendo dessa importância, vamos te ajudar a entender:

  • O que é Arquétipo
  • A Importância de se ter um Arquétipo Bem Construído
  • Quais os 12 principais Arquétipos e suas principais características
  • Como Usar um Arquétipo no Marketing
  • Os 4 passos para definir o Arquétipo ideal para o seu negócio

O Que É Arquétipo?

Os Arquétipos são estereótipos de personalidade profundamente enraizados no subconsciente humano, e que guiam nossa forma de agir e pensar. 

Carl Jung identificou padrões de comportamento e criou “personagens” na tentativa de melhor exemplificar e descrever esses comportamentos.

Assim como a personalidade humana, os Arquétipos de Marca moldam a forma como as empresas se portam, interagem e se apresentam para os consumidores.

Por isso, a escolha de uma personalidade de marca bem definida e certa para cada empresa é essencial para estabelecer relacionamentos significativos.

Pense nas relações de amizade. Costumamos nos aproximar de pessoas que tem a personalidade parecida ou complementar a nossa. Com as marcas é a mesma coisa.

Ter uma personalidade definida e forte ajuda o público a se aproximar e ter uma relação mais sincera e duradoura com a empresa, afinal estão “falando a mesma língua”.

Pense no arquétipo como um personagem de histórias ou de um filme.

O que Simba, Frodo Bolseiro e Harry Potter têm em comum? Todos eles seguem o arquétipo do Herói.

Moldando suas histórias, cada um à sua maneira, esses 3 personagens possuem o mesmo arquétipo, logo os mesmos estereótipos que os constroem dentro de suas narrativas.

O mesmo acontece com as marcas!

Uma vez enquadradas em um dos 12 tipos, eles servirão como guia para a construção da sua história.

Assim, os arquétipos ser aplicados a qualquer representação, por mais que seja fácil associar eles a personagens de livros e filmes.

Afinal, de acordo com a Archetypes in Branding:

 “Arquétipos representam um padrão de ideias e uma forma de pensar que é consistente ao longo do tempo, gerações e culturas”.

Como os Arquétipos Se Aplicam ao Marketing?

Assim como os heróis da ficção nos inspiram, marcas que usam do arquétipo do herói tendem a ter o mesmo efeito sobre nós.

A Nike é um exemplo de empresa que usa do Arquétipo do Herói. Mesmo que seus tênis se modifiquem e evoluam com o tempo, a essência da sua personalidade é constante ao redor do conceito de fazer coisas impossíveis e excelentes sendo corajoso e determinado.

Fique tranquilo, no decorrer desse texto vamos explicar melhor cada um dos principais Arquétipos e te mostrar como utilizá-los em suas ações de marketing.

Qual a Importância de Um Arquétipo Bem Construído?

Pense numa pessoa de personalidade forte e marcante e em outra que não se posiciona. Qual tem mais chances de ser lembrada?

Assim como acontece na vida, marcas que se posicionam com características marcantes tendem a ser mais lembradas, comentadas e consumidas, principalmente pelo público que valoriza tais características.

Para construir essa personalidade, as empresas investem em desenvolver visão e valores fortes e que estejam alinhados aos seus objetivos, mas além disso é preciso construir um arquétipo.

Ele vai reunir todos esses elementos em um recorte mais objetivo, fechado e direto, tornando mais fácil o reconhecimento de quem é a marca.

Veja como algumas marcas se enquadram nos arquétipos:

Imagem de uma roda de arquétipos que mostra diferentes marcas para diferentes personalidades. São elas: hering- cara comum, coca cola-inoscente, bmw-gogernante, áudi-sábio, red bull-mágico, noke-herói, lego-criador, heiniken-explorador, harley-davidson-fora da lei, skol-bobo da corte, chanel-amante, prudential-prestativo.

E além de gerar uma conexão maior entre cliente e empresa, como já comentamos, a personalidade ajuda a desenvolver reconhecimento, que com o tempo leva a um aumento da credibilidade e da autoridade.

Pense nas grandes empresas que se destacam mundo afora.

Ao comprar uma bolsa Chanel, você consome não apenas uma bolsa, mas a sensação de beleza, sofisticação e de estar influenciando outras pessoas.

Assim, a lista de empresas que possuem uma personalidade tão forte ao ponto de venderem um estilo de vida, como é o caso da Jeep, é imensa e os Arquétipos escolhidos por cada uma delas ajudam a fortalecer essa imagem.

Com isso, as personalidades de marca conseguem mirar nos gatilhos mentais certos para convencer e conquistar seu público-alvo.

Com uma personalidade forte e marcante, é possível gerar uma identificação sincera com os consumidores.

Como Usar Arquétipos no Marketing?

Já comentamos um pouco sobre a capacidade que os Arquétipos têm de se conectarem às pessoas.

Eles as aproximam por sua personalidade e tem como principal função a de influenciar.

Por atuarem como figuras exemplares, inspirações ou até mesmo amigos, os Arquétipos andam lado a lado com a persuasão. Eles agem nas emoções com o objetivo de induzir, atuando como gatilhos mentais.

Esses gatilhos funcionam porque as características e valores daquela personalidade se tornam parte da empresa.

Ao reproduzir essas características as marcas passam a se tornar mais presentes no inconsciente coletivo, ganhando um espaço de destaque, afinal se assemelham com seus amigos e preferências e preferências pessoas, aumentando a percepção de valor.

Vale lembrar que persuasão não é o mesmo que manipulação! 

Outra aplicação dos Arquétipos no meio do marketing é quando eles se relacionam com a criação de storytellings.

Uma vez que a personalidade da marca foi escolhida é possível pensar em estratégias mais assertivas para serem colocadas em prática.

A melhor delas é através de histórias!

Isso porque a criação de narrativas faz com que o público se sinta mais próximo as empresas e criar uma identificação com a marca, seus valores e visões de mundo.

Histórias são comprovadamente a melhor maneira de lembrar de algo e gerar empatia.

Em resumo, o arquétipo da sua marca é capaz de personificar uma trajetória e um storytelling, formando uma ponte sólida entre cliente e empresa.

É exatamente isso que vamos ver a partir de agora, ver cada um dos principais, suas características e como sua marca pode utilizá-los para fortalecer a comunicação.